Finasterida afeta ou não a libido?

andre_cor

Estima-se que 50% da população mundial tem ou terá algum grau de calvície genética, uma doença hereditária. Como já explicamos, ela surge por meio do hormônio dihidrotestosterona (DHT), que provoca o afinamento, a atrofia e a morte dos fios de cabelo.

Um dos medicamentos mais conhecidos e eficazes é a Finasterida. O problema é que, graças às redes sociais, existe uma grande desconfiança sobre o remédio. Não é para menos: divulga-se que o uso do medicamento poderia promover alterações no apetite sexual de quem o utiliza. É o que vamos tratar nesse artigo.

Por inibir parte da formação do hormônio DHT, um dos possíveis efeitos colaterais da Finasterida seria a diminuição da libido. Pode ser. Mas isso não significa que todas as pessoas apresentarão o sintoma. Pelo contrário. Alguns estudos científicos mostram que a diminuição da libido acontece em menos de 2% das pessoas que tomam Finasterida. E seria reversível com a interrupção do uso do medicamento.

Quando comparado a outros dados publicados, como no livro ‘Estudo da Vida Sexual do Brasileiro’, que mostra que 19,9% das mulheres e 2,4% dos homens, entre 18 e 25 anos, se queixaram de libido baixa, podemos constatar que existem outros fatores mais importantes que o uso da Finasterida, responsáveis pela alteração do apetite sexual, como, por exemplo, o estresse, a obesidade e o tabagismo.

Por isso, se seu médico receitar esse ou qualquer outro medicamento, tire suas dúvidas e confie no tratamento proposto por ele (nunca nas redes sociais), pois assim você terá mais chances de obter resultados satisfatórios.

Dr. André Bahia é médico com pós-graduação em Dermatologia e Tricologia Médica, CRM 52.87713-1. Atende no Centro Médico, ao lado do Hospital Vita (24) 2102-0088 / Centro de Saúde Renascer (24) 3343-2150 / Rio Medical Center (24) 2108-0030. Instagram @drandrebahia

Deixe uma resposta