Dezembro laranja

Assim como o Outubro Rosa e o Novembro Azul, meses quando se desenvolve campanhas contra o câncer de mama e próstata, respectivamente, a Sociedade Brasileira de Dermatologia criou o Dezembro Laranja para alertar a todos sobre os perigos da exposição solar sem controle e ainda ressaltar a importância de se prevenir o câncer de pele.

 

E é bom frisar, desde já, que o câncer de pele é o de maior incidência em todo o mundo, e no Brasil corresponde a 25% de todos os casos cancerígenos. Para evitar que o percentual permaneça neste nível – ou aumente -, é fundamental mostrar como é importante o uso diário de fotoprotetores. O alerta sobre os sinais e sintomas também é importante, pois o diagnóstico precoce é de suma importância para o sucesso do tratamento.

 

Mais de 60% dos brasileiros não se protegem adequadamente e, com isso, mais de 4 milhões já tiveram câncer de pele. Para piorar, cerca de 20% das crianças e adolescentes não fazem uso de protetores nas suas atividades de lazer. Deveriam, pois os efeitos nocivos do sol são cumulativos e irreversíveis, sendo proporcionais à intensidade de sol desde a infância. Hoje, muitos não dão a devida importância; amanhã, entretanto, já adultos, podem se arrepender de tanto sol que ‘curtiram’ na praia, na piscina,  no campo…

 

O tipo mais comum é o ‘não-melanoma’, que compreende os carcinomas basocelular e espinocelular, de baixa letalidade. Já o melanoma, apesar de raro, é dos mais agressivos e letais. As principais causas do aparecimento de tumores cutâneos são a exposição solar excessiva e, atenção, o uso de câmaras de bronzeamento. Pessoas de pele clara, olhos claros, sardas, com história familiar, história de queimaduras solares ou os que têm muitas pintas também têm uma chance maior de apresentarem o câncer de pele. Pensando na prevenção e nos cuidados que devemos ter, é bom passar a usar protetores solares tanto no dia a dia quanto nos momentos de lazer. Que usem chapéus e roupas. E procurem abrigo em barracas, de preferência as de algodão ou lona, já que as de nylon deixam passar a maior parte da radiação UV. Tem mais. Evitem ficar ao sol das 10 às 16 horas.

 

Quanto ao protetor, ele deve ser tanto para radiação UVA como UVB, com fator mínimo de 30. Importante: em período de exposição, reaplicar a cada 2 horas, no máximo, e toda vez que sair da água, quando estiver na praia, piscina e rios. Um autoexame da pele também deve ser feito para que manchas e pintas sejam notadas. Se elas surgirem ou se estão mudando, é bom procurar logo um dermatologista. Consultas de rotina devem ser feitas, no mínimo, uma vez por ano, mesmo que nada seja percebido.

 

Que prestem atenção nas lesões, geralmente elevadas, que podem ser castanhadas, vermelhas, translúcidas ou com mais de uma cor, e ainda apresentarem casquinhas, sangramentos fáceis, mudanças de cor, crescimento rápido, e feridas que não cicatrizam.

 

maite_corMaitê Vieira Bahia é Médica com pós-graduação em Dermatologia, CRM 52.85624-0 Atende no Centro Médico, ao lado do Hospital Vita – telefone (24) 2102-0088, no Centro de Saúde Renascer – telefone (24) 3348-1098 e também na Clínica Dermatológica de Volta Redonda – Telefone: (24)3348-1410

Deixe uma resposta