segunda-feira, maio 16, 2022
CasaEditoriasPolícia‘Com arrastão’

‘Com arrastão’

Com apenas três mil eleitores, a Água Limpa é um bairro dividido politicamente. Bem dividido. Na eleição de 2016, Samuca obteve 1.523 votos; Baltazar, seu ex-adversário, por sua vez, obteve 1.510. A diferença de 13 votos entre eles deve ser menor nas próximas eleições. É que muitos moradores estão pensando seriamente em se mudar. Motivo: a Água Limpa deixou de ser um bairro tranquilo, típico do interior. Hoje, convive com a violência e é dominado por traficantes. À noite, até tiros de metralhadora são ouvidos. Tem mais. Foi palco, na visão de quem mora lá, de dois arrastões, que culminaram com o assassinato de Caio Cezar na tarde de terça, 23.

 

Ele estava dirigindo sua moto, saindo de casa e levando o pai na garupa, quando outra moto emparelhou ao lado dele e o motoqueiro e uma mulher dispararam contra ele. Os tiros o mataram na hora; já o pai nada sofreu, o que prova que as balas tinham endereço certo. O velório do rapaz, de 22 anos, agitou a Água Limpa, onde ele era conhecido e temido por supostamente ser o gerente do tráfico no bairro. Entre os moradores existem duas versões: Caio teria sido morto por traficantes de outra localidade que estariam tentando invadir a Água Limpa e assumir a venda de drogas. Ou teria sido assassinado por ordens de milicianos que querem dominar o bairro todo. “Foi um recado, tipo: nós é que mandamos aqui”, avaliou uma fonte do aQui.

 

Mas há quem pense que Caio teria sido morto pelos milicianos, mas por outro motivo: “Ele era um dos que estavam fazendo arrastão no bairro. O chefe da boca mandou passar o carro geral (matá-lo)”, pontuou um dos moradores mais antigos, que estaria querendo evitar as incursões da Polícia Militar. “Estava prejudicando o momento (venda de drogas)”, completou.

 

Outra fonte da área de segurança usou as redes sociais para deixar um alerta que tem tudo a ver com o clima no bairro. “Estamos com informações de que alguns bandidos de facção do Rio que saíram do presídio estão homiziados (escondidos, grifo nosso) na Água Limpa. A Polícia está intensificando as rondas e o serviço de  inteligência a fim de capturar estes elementos que aterrorizam o bairro e adjacências”, postou.

 

Na noite de quinta, 24, o clima de apreensão e medo também tomou conta do Jardim Normândia, Village Santa Helena, e Laranjal, bairros em que os milicianos alojados na Água Limpa estariam querendo vender serviços de segurança, entre outros. A Polícia Militar foi acionada e teria prendido dois suspeitos. Eles teriam assaltado uma drogaria no Jardim Amália e estariam prestes a roubar uma ou mais residências nas proximidades das ruas Itamar de Assis Pereira e Paulo Magalhães.

Artigo anteriorEdição 1132
Artigo seguintePM de aço
ARTIGOS RELACIONADOS

‘Tenho medo’

Nunca mais

Nada seguro

LEIA MAIS

Coluna Social

Grampos

Praça da ETPC

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp