terça-feira, abril 16, 2024
CasaEditoriasEsporteBate bola - Sergio Luiz

Bate bola – Sergio Luiz

A foto é da seleção juvenil da LDVR (Liga de Desportos de Volta Redonda) em 1962 e pertence ao acervo do Carlos Vidal.

aqui-esporte_cor

Em pé da esquerda para a direita: Nena, Joveir, Menu, Edson, Napoleão, Vidal, Paulinho DPI, , Heleno, Jaú, Joaquinzinho (treinador) e Chicão (diretor). Agachados: Carlinhos, Baiano, Dito, Paulo Braga, Cecílio, Babá, Amigo e Sabará.

Ficou com pena?

Para ganhar do Voltaço por 2 a 0, na noite de quarta, 17, no Raulino de Oliveira, com público de apenas 4 mil pagantes, o Flamengo não precisou suar quase nada. Deixou até os titulares descansando na cidade maravilhosa e entrou em campo com a garotada do sub-20. Parecia que o tricolor de aço é que jogava com um time alternativo, tal a facilidade que o time de Carpegiani teve em campo. Foi triste ver os “experientes craques do Volta Redonda” correndo atrás dos juvenis do Mengão. 

 

Perder faz parte do futebol, é normal; mas que sirva de alerta para os dirigentes, comissão técnica e torcedores do Voltaço. O time terá que melhorar muito se quiser brigar por melhores posições na tabela do Carioca de 2018. E que seja rápido, pois o time de Volta Redonda terá dois fios desencapados pela frente. Amanhã, domingo, 21, em Moça Bonita, pega o Bangu, às 16h30min; e na quinta, 25, às 16h30min, joga contra o Nova Iguaçu, no Laranjão. São concorrentes diretos e por isso se tornam mais perigosos, sem falar que jogam em casa.

 

Apesar da ducha fria da noite quente de quarta, o torcedor precisa aguardar os dois próximos jogos para avaliar de verdade se o Volta Redonda não quis bater nos garotos do Flamengo – ficou com pena? – ou se vai apanhar mais e mais nos jogos seguintes quando for enfrentar os titulares dos times concorrentes. Quem viver verá.

 

Sobrecarregado

O estádio Raulino de Oliveira vai receber vários jogos de outros clubes. Assim é que no dia 28, domingo, às 19 horas, o Madureira enfrenta o Fluminense. Na segunda, 29, o Voltaço jogará com a Cabofriense, às 19h30min. No dia 4, domingo, será a vez do Nova Iguaçu encarar o Flamengo. Não sei se o gramado, atualmente impecável, resistirá a tantas peladas.

 

 

Público

Mais uma vez foi decepcionante a presença (ou ausência) dos torcedores no Raulino de Oliveira. No total, cinco mil pessoas assistiram Volta Redonda x Flamengo. Alguns poderão até dizer que o jogo ia passar na telinha e que o time rubro negro iria entrar em campo com um time alternativo. Sem contar que marcar jogo para o meio de semana e às 21h45min, com arquibancadas a R$ 40 e cadeiras a R$ 60, em cidade operária, é coisa de doido. O torcedor, além de estar duro, não é bobo. Triste fim do futebol carioca. No Mineirão, por exemplo, Cruzeiro e Tupi também estrearam na quarta, 17, pelo campeonato mineiro e arrastaram mais de 40 mil torcedores ao Mineirão.

 

Sub-20

A garotada do Voltaço foi eliminada da Copa Cidade de São Paulo ao perder do RB Brasil por 1 a 0.

 

Barra Mansa

A situação política do Barra Mansa continua na estaca zero cercada de mistérios da meia noite. Ninguém sabe, por exemplo, se o presidente do Conselho Deliberativo, Silvio Francisco, entrou ou não com uma ação para derrubar a liminar que deu condições para que o presidente eleito Andrinho pudesse disputar as eleições. Quer mais mistérios? O clube vai ou não vai disputar a terceira divisão? Vai ter dinheiro para pagar as taxas de inscrição no torneio? É dose!

 

Bola fora

Para Voltaço, Fluminense, Botafogo e Vasco que começaram mal a Taça Guanabara. Os dois primeiros perderam e o alvinegro empatou. Doses e porcas emoções pela frente. Lamentável!

 

História

Essa com o goleiro Mazaropi (Dadão, para os alemparaibanos) é muito interessante. Em 1964/65, jogávamos no time de garotos do Palmeirinhas, da Praça da Bandeira. Os jogos eram realizados num areal, que o Rio Paraíba deixava pós enchentes. Tinha até presidente (Nelsinho Mafra) e como técnico Antonio José (o Pilha). O Dadão (Mazaropi) jogava como quarto zagueiro, mas era grosso. Porém, após os jogos, à noite, ele passava mal. Não me lembro do quê. Certo dia, dona Néia, mãe dele, chamou todo o time e mandou essa: “O Geraldinho agora só vai jogar no gol. Porque na linha ele corre muito e de noite passa mal. Eu é que sei o que ele passa. Se ele jogar na linha, ele não vai mais”, ameaçou. Foi aí que surgiu o goleiro Mazaropi, que logo depois foi para o Vasco (em 1970). Lembro que, em 1976, Mazaropi pegou um pênalti cobrado pelo Tita dando ao Vasco o título de campeão da Taça Guanabara. No final da partida, ele pegou a bola, beijou-a e elevou-a ao céu, agradecendo a Deus e à sua mãe, que descobriu a sua verdadeira posição e que havia falecido. Mazaropi hoje é comentarista da Grêmio Rádio Umbro de Porto Alegre.

 

Bola dentro

Para a exibição do time de garotos do Flamengo, na vitória sobre o Voltaço por 2 a 0. A média de idade dos garotos não chegava aos 20 anos; a do Voltaço era de 28 anos. Prova que os dirigentes de qualquer time não precisam contratar “craques com validade vencida”. Ou melhor, que craque se faz em casa!

 

Artigo anterior
Artigo seguinte
ARTIGOS RELACIONADOS

Bate-Bola Sergio Luiz

Bate-Bola Sergio Luiz

Bate-Bola Sergio Luiz

LEIA MAIS

Seja bem vindo!
Enviar via WhatsApp